Página Principal seta Resumos de Livros seta Resumos T seta Triste Fim de Policarpo Quaresma - Lima Barreto (2)

Não Encontrou? Pesquise Aqui!

Triste Fim de Policarpo Quaresma - Lima Barreto (2) Imprimir E-mail
Escrito por SOS Estudante.com   


Bookmark and Share

PERSONAGENS:

Policarpo Quaresma: Personagem protagonista;
Dona Adelaide: irmã de Quaresma, mora com ele;
Ricardo Coração dos outros: Violonista amigo de Quaresma que o ensinava à tocar violão;
Coleoni: Imigrante italiano inimigo de Quaresma;
Olga: filha de Coleoni, afilhada de Quaresma;
General Albernaz e família; amigos de Quaresma.


TEMPO E ESPAÇO
A história ocorre durante o governo de Floriano Peixoto, 1894, no Rio de Janeiro.

ASPECTOS MAIS IMPORTANTES

Obra da época Pré-modernista, caracterizada pela critica ao governo e a retratação dos problemas sociais brasileiros.
O LIVRO:
Explora personagens populares;
Valoriza a vida suburbana (RJ);
Crítica as instituições (Governo e exército);
Caricatura dos poderosos;
Coloquialismo;
Visão crítica sobre a classe média e a pequena burguesia;


O TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA

Policarpo Quaresma era um homem extremamente nacionalista, um sonhador, sonhava e enaltecia a pátria, e ai de quem falasse alguma coisa contra a sua pátria, defendi-a com unhas e dentes tudo o que esta terra tinha de bom para oferecer, desde o primeiro capítula isto fica claro, comprava livros e livros de história e geografia para conhecer a fio cada espaço desse país.
Ele era um homem muito reservado e calmo, só se enraivecia quando falavam mal do Brasil em sua frente. Vivia com a irmã Adelaide que nunca se casara e possuía poucos amigos.
Foi então em um dos seus surtos de patriotismo que Policarpo mandou um requerimento à Câmara onde propunha que o língua portuguesa fosse substituída pelo tupi, segundo ele o tupi era uma língua verdadeiramente brasileira, cultura de um povo inteligente, uma identidade, ao contrário do português que era uma língua emprestada a nós. Como conseqüência disto, Quaresma virou motivo de piada de todos os jornais do Rio, foi dito como louco, afastado de seu cargo, e acabou indo para um manicômio.
Em sua longa temporada que passou no manicômio, Quaresma aprendeu à controlar seus impulsos nacionalistas. Logo após sair de lá, mudou-se para um sítio, que, ao contrário de que todos esperavam, fez fortalecer seus ideais patriotas, e lá pode ver e sentir a dificuldade que os pequenos fazendeiros tinham em plantar vender, “Nossas terras são as mais férteis do mundo”, dizia ele, porém a dificuldade que se tinha de passar para deixar essas terras produtivas era muito maior.
Estoura então a Revolta da Armada no Rio, sobe o governo de Floriano Peixoto, Quaresma como um bom patriota oferece seu apoio e serviços a Floriano Peixoto, e aproveitada para expor as dificuldades e suas idéias para melhor a agricultura no Brasil. Contudo após meses em meio a uma guerra urbana, Quaresma vê desfarela-se seus sonhos quando Floriano o chama de “Visionário”.
Logo após o término da Revolta da Armada, quando Quaresma é designado como carcereiro dos revoltosos na Ilha das Enxadas, e lá ele presencia um oficial recolhendo alguns presos para serem executados, Quaresma então se revolta com aquela cena e vai pedir satisfações ao palácio, ao fazer isso é tido como um dos revoltosos. Ele é preso e condenado à morte, preso pelo próprio país ao qual sempre engrandeceu e o defendeu com unhas e dentes, durante o tempo que ele passa preso ele repensa em tudo que já fez em pról do seu país, e conclui que aquilo tudo foi em vão. Ricardo tenta então salvar seu amigo, porém, ao recorrer aos amigos de Quaresma, dá com a cara na porta, pois ninguém queria ir contra o governo, até que Olga tenta ajudá-lo, mas sem efeito.
 
< Anterior   Próximo >