Resumo Abusado - O Dono Do Morro Dona Marta

Resumo do Livro Abusado - O Dono Do Morro Dona Marta

Resumo Abusado - O Dono Do Morro Dona Marta
Abusado - O Dono do Morro Dona Marta

Para se entender toda a violência urbana instalada no Rio de Janeiro, é necessário compreender como pensam e como agem os criminosos que impõem o terror na cidade. ABUSADO, livro-reportagem de Caco Barcellos, é uma verdadeira lição sobre a lógica, os meandros e o modos de operação das grandes corporações criminosas que comandam o tráfico de drogas e outras atividades criminosas no Estado.

Através da história de Juliano VP (codinome de um conhecido traficante carioca) - sua infância, adolescência, entrada e ascensão no tráfico de drogas na favela Santa Marta (em Botafogo, bairro de classe média) -, temos um retrato histórico da ocupação do morro pelo Comando Vermelho, principal facção criminosa no Estado, e da implantação de sua cruel disciplina. 

Mas não é apenas um livro sobre a história do tráfico. Juliano é um personagem extremamente fascinante, um criminoso com refinado gosto literário, preocupado com o destino da comunidade favelada do Rio de Janeiro e cujos contatos iam dos violentos chefes do CV até importantes intelectuais cariocas.

Os contatos com os intelectuais repercutiram entre os comandantes de outros morros ligados ao Comando Vermelho. Não chegaram a condená-lo mas ajudavam a difundir o seu apelido de Poeta e a crença de que o chefe da Santa Marta era um doidão que matava pouco, desprezava dinheiro, defendia idéias que consideravam esquisitas e tinha a pretensão utópica de se tornar uma espécie de embaixador do tráfico no Rio de Janeiro. 

O livro esclarece, ainda, o polêmico envolvimento do cineasta filho dos donos de um dos maiores bancos brasileiros com Juliano, na forma de uma mesada de mil dólares/mês para que o traficante largasse o crime. 

Caco reporta também o desenvolvimento da cidadania dos moradores da Santa Marta, seus esforços e conquistas em um morro cravado na Zona Sul carioca mas com tudo o que uma favela pode ter de ruim, como as péssimas condições de higiene, a pobreza, a desesperança e o medo da violência do tráfico e da brutalidade da polícia. 

O livro é um relato de vida e de morte que mostra claramente o submundo da criminalidade carioca.