Resumo O Fantasma de Luis Buñuel

Resumo do Livro O Fantasma de Luis Buñuel de Maria José Silveira.

Resumo O Fantasma de Luis Buñuel
O Fantasma de Luis Brunel

“O Fantasma de Luis Buñuel” de Maria José Silveira- Editora Francis (2004)

“Não se entra no país das maravilhas, pois ele fica do lado de fora, não do lado de dentro”.(Antonio Cícero)

“Não importa. Tente outra vez. Fracasse melhor”.(Samuel Beckett)

A história do livro percorre de 1968 a 2003.Cada segmento ficcional é ilustrado com as notícias de um dia de cada época.

O que me encantou foi o início do livro que se passa em 1968 quando se foca um grupo de rapazes e moças que morava na cidade de Brasília ligados à UNB e a um cineclube onde assistiam ao Cão Andaluz de Bunuel entre outros, impregnando-se da estética surrealista entre outras.

Voltando no tempo, aparece um pouco da história e geografia de nossa capital que nos é ainda e sempre desconhecida.

Introduz a figura de Bernardo Sayão que contribuiu para a construção em tempo recorde da nova capital, passando por cima de leis e orçamentos, na ânsia de perseguir seu sonho e o de alguns outros.Esse herói moderno e desconhecido respondeu a processos por métodos não ortodoxos e morreu enquanto construía a Belém -Brasília abatido por uma árvore, rosto desfigurado na estrada que recebeu seu nome.

Pois foi o sonho que trouxe gente de todo o Brasil para desbravar e morar na capital do cerrado em 1955: o primeiro aeroporto, as primeiras estradas vicinais, o cruzeiro de pau-brasil no ponto mais alto do Plano Piloto.

“O descampado sem fim quando a noite começava a cair e a maravilha do pôr-do-sol.O horizonte de terra vermelha, o calor tremeluzindo no pó dourado que subia do chão e contra o sol, o descampado sem fim,a secura...”E mais... “o luão,a chuva forte caindo,o cheiro da terra”.

Coisa pouco comentada é que “... o ritmo de construção alucinante foi às custas da extensão das jornadas de trabalho além dos limites legais...” com os sacrifícios dos candangos sonhadores e enfraquecidos. “... O Anexo do Congresso, o “28” ficou famoso pelas mortes que provocou porque os operários não tinham experiência de trabalhar nas alturas.”

A cidade nascida de um sonho de Don Bosco foi concretizada e seu próprio desenho com os setores e as superquadras originais pretendia uma sociedade melhor.

Mas...os barracos e depois as cidades-satélites “...nasceram com a inauguração da cidade quando os que trabalharam na construção ficaram desempregados e sem moradia.Eu bem que gostaria de perguntar a Niemeyer e Lucio Costa,os idealizadores de Brasília,o que eles previram para os peões.Os dois são homens de consciência social,Niemeyer é comunista,todos sabem.Não previram,os trabalhadores são abstrações,problemas insolúveis da sociedade capitalista.” Resultado:invasões contínuas que desfiguram e finalizam o sonho ate hoje,ali bem às mais claras vistas do poder central.

O primeiro tempo termina com a destruição da UNB no final de agosto de 1968, ela que fora criada para pensar os problemas do Brasil de maneira inovadora.

E o livro segue por tempos mais modernos, duros, mas incríveis anos com encontros e desencontros, relações hetero e homossexuais, aceitação das diferenças, woman e black  power, ecologistas e terroristas,o início de tomada de consciência dos humanos da Terra como ser vivo a ser preservado,a ascensão e queda de totalitarismos,a Aids chegando e se instalando,muitas perdas...