Resumo O mistério da carruagem 013

Resumo do livro O mistério da carruagem 013 de Carlos Correia, Maria Alberta Menéres E Natércia Rocha.

Resumo O mistério da carruagem 013
O mistério da carruagem 013

Título: O Mistério da Carruagem 013

Autores: Carlos Correia, Maria Alberta Menéres E Natércia Rocha

Personagens Principais: Maria David e Gabriel

Personagens Secundárias: Mãe Adelina - Pai Justino - Óculos Escuros - Senhor da Mão Peluda - Senhora do Casaco Vison - Couve Tronchuda nº1 - Couve Tronchuda nº2 - Funcionário da Carruagem - Rapariga da Boina - Amélia - Menino Renato - Primo Alfredo - Tio Artur - Dona Zezinha - Pedro - Rosarinho

Resumo

A Maria David e o Gabriel iam ficar em Vila Nova-De-Gaia durante uns dias, na casa dos tios, iam para lá de metro.

Enquanto a carruagem do metro não chegava a Maria foi passeando pelos quiosques que encontrava, então a Dona Adelina comprou-lhe doces para a viagem, o Gabriel e comprou a novidade em livros policiais, porque o Gabriel gostava muito dessas coisas de detectives (de observar, investigar, analisar e concluir), foi então que a carruagem do metro chegou e a Dona Adelina começou a dar recomendações (do tipo, não ponham a cabeça fora da janela, só saiam do metro quando tiver bem parado...), e então a carruagem começou a andar.

Enquanto estavam na carruagem do metro, viram um homem com umas barbas grandes (e chamaram-lhe de o Pudim Flan), começaram a caracterizar os passageiros como eles pareciam.

Na carruagem viram um senhor muito misterioso, de óculos escuros como se fosse um vigarista (deram a esse senhor o nome de Óculos Escuros) e ao lado dos Óculos Escuro tinha uma mulher gorda, que escondia com a sua saia alguma coisa por baixo do assento (chamaram-lhe de a Couve Tronchuda).

Pouco a pouco a Maria adormeceu encostada no ombro do irmão e este estava sempre a olhar para os Óculos Escuros, sempre a desconfiar do seu ar misterioso.

E então foi quando aconteceu uma cena, uma Senhora de Casaco Vison levantou-se de repente e o seu grande casaco de pelos voou e foi parar ao colo da senhora Couve Tronchuda, é então que um montão de galinhas saltou da bainha da Couve Tronchuda e esta andou a correr pelos corredores da carruagem do metro atrás das galinhas, e a seguir os Óculos Escuros chegou á alavanca do sinal de alarme e puxou-o, e foi galinhas, cacarejos e gritos, todo junto.

Ao Gabriel não escapava nada no meio daquela balbúrdia toda, houve dois movimentos subtis que ao Gabriel não escaparam: a Senhora do Casaco Vison, que ficou sem o casaco, corria apressadamente para um lado da carruagem, e um Senhor com uma Mão Peluda tirava um envelope do bolso do casaco vison.

O Gabriel e a Maria David, que acordou repentinamente com aquele barulho todo, e os outros passageiros puseram-se atrás das galinhas então veio o Funcionário dos Caminhos-de-Ferro para descobrir quem é que começou com aquela confusão, e então o Gabriel explicou o que aconteceu, mas o culpado, os Óculos Escuros desapareceu assim como a senhora que levava as galinhas, a Couve Tronchuda, e a senhora que causou a confusão, a Senhora do Casaco de Vison. Depois desta desordem, o Funcionário anunciou que a carruagem ia retomou a viagem.

O Gabriel e a Maria David puseram-se a comentar sobre o que viram, sobre o Senhor da Mão Peluda tirar um envelope colorido do casaco vison. Então serenamente o Gabriel sentou-se ao lado desse senhor e perguntou-lhe ainda mais serenamente se podia ver o envelope que tinha tirado do casaco vison, então o Senhor da Mão Peluda despreocupado deu-lhe o envelope, o Gabriel pensava que ia ver montes de notas, mas viu um molho de papéis.

De repente a Maria David veio a correr e disse ao Gabriel que a Senhora do Casaco Vison, sem o vison, vinha aí, e muito apressado o Gabriel foi na direcção da senhora e entregou-lhe o envelope, a dizer que este envelope estava no seu casaco, e a senhora disse:” Meu? Mas que ideia! Eu nem trouxe casaco...”.

O Gabriel e a Maria David ficaram estupefatos, por a Senhora do Casaco Vison deixar o Casaco Vison ali sem o levar, e começaram a pensar se havia ali um grande mistério. Daí a um tempo veio outra vez o Funcionário para aplicar uma multa a quem ativou o sinal de alarme, mas ninguém sabia dizer quem era, só o Gabriel dizia que era um homem de óculos escuros. Lá o funcionário anunciou que a carruagem ia retomar a viagem.

Havia uma Rapariga de Boina que estavam ao lado dos irmãos e então ela chegou-se ao lado deles e começou na conversa, ela pensa que aquela confusão foi tudo um teatro muito bem treinado, e por muito tempo os irmãos estiveram a recapitular esta cena toda. (eles pensavam que este azar/cena toda foi porque o número da carruagem seja o nº13), com este teatro todo, o Gabriel começou a ficar com fome, então a Maria David e o Gabriel dividiram o outro chocolate.

Chegaram a Vila Nova-De-Gaia, A Maria David, o Gabriel e a Rapariga da Boina (estava também com eles) viram a Couve Tronchuda sair da carruagem nº013 e ia em direção da carruagem nº012 e encontrou-se com outra Couve Tronchuda (Couve Tronchuda nº2), era a sua irmã e começaram numa discussão, sobre o que iam dizer ao menino Renato da confusão que houve na carruagem.

De Repente, alguém agarra o braço da Maria David, era o seu Primo Alfredo, um primo em que ela tinha uma grande paixão, entretanto já ninguém se lembrava do que tinha acontecido com as galinhas e o sinal de alarme. Quando o Gabriel, a Rapariga da Boina, a Maria David e o Primo Alfredo saiam da estação do metro, a Rapariga da Boina perguntou ao Gabriel para onde é que iam, e se iam de táxi, ele responde que iam para Espinho no carro do Primo Alfredo, grande consequência, a Rapariga da Boina disse que também ia para lá, e muito generoso o Primo Alfredo ofereceu boleia á Rapariga da Boina, durante a viagem para casa o Gabriel, A Maria David e a Rapariga da Boina estavam a contar o que se tinha acontecido na carruagem, e de repente o Gabriel tirou do bolso o envelope que estava no casaco da Senhora de Vison, e quando o Primo Alfredo quando viu o papel, travou o carro leu-o e disse que era uma coisa revolucionária.

Como se estava a criar uma fila de carros, o Primo Alfredo arrancou o carro ao estilo da Fórmula 1, sem se aperceberem já estava em casa, entraram em casa (incluindo a Rapariga da Boina) e depois da “distribuição de beijos, e dos comentários ”estás tão crescido, voltaram ao assunto do papel revolucionário, o Primo Alfredo explicou que o que estava no papel escrito, era um segredo de uma forma de fazer plásticos mais bonitos e mais baratos.

O Tio Artur ouviu o que eles estavam a falar e quis saber a história toda, e lá tiveram eles de contar a história, e como o Tio Artur tinha muita experiência de vida, disse que podia ser espionagem industrial, então estiveram a falar de empresas que faliram por causa disso (EI), e falaram da empresa da família dos Leonéis, que o filho do presidente da empresa, o Pedro casou rico com a Rosarinho.

Depois o jantar estava pronto, jantarem e depois do jantar a Rapariga da Boina foi para casa. No dia seguinte, de manhã, a Maria David foi para a praia, foi quando o Gabriel recebeu um telefonema, era a Amélia, a Rapariga da Boina, ela queria-se encontrar com o Gabriel perto das piscinas para falarem sobre o mistério da carruagem 013, então o Gabriel lembrou-se da família dos Leonéis, e pensou que o Primo Alfredo o podia levar á empresa deles.

Quando chegaram á empresa o Primo Alfredo reconheceu um amigo que trabalhava lá, o Senhor Lopes, e este convidou-os a dar um passeio no jardim da empresa que era muito lindo. Encontraram a Couve Tronchuda nº2 que levava um tabuleiro de bebidas, era uma empregada de casa do “menino” Renato (que era o presidente da empresa), já há muitos anos.

O Gabriel foi espiar a dentro empresa e acabou por armar uma confusão na sala de reuniões, porque havia uma reunião lá e ao escutar á porta, a porta abriu-se, e armou-se a confusão, e o Primo Alfredo foi buscá-lo á sala dos directores, cheio de vergonha e pelo caminho para casa, o Primo Alfredo brigou com o Gabriel, mas depois passou, foram para casa jantar.

Durante o jantar, a Maria David perguntou ao Gabriel se já tinha desvendado o mistério da carruagem 013, ele disse que sim, e explicou: que desde o início sentia que aquela desordem, na carruagem, parecia artificial, como uma peça de teatro, ele percebia porque é que a Couve Tronchuda tinha desaparecido, para não ser apanhada com as galinhas, mas não sabia porque é que a Senhora do Casaco Vison tinha fugido e deixado o casaco para trás, a maneira como o envelope estava no casaco, parecia que estava posto ali de propósito para alguém o agarrar, e o aparecimento do Senhor da Mão Peluda foi pura coincidência, era só um ladrão de comboio que aproveitou a ocasião, e os Óculos Escuros, que fugiu, aproveitou o que se sucedera para fazer parar a carruagem perto de casa, e as duas Couves Tronchudas estavam a resolver um problema familiar, é que a Rosarinho (mulher do presidente da empresa) queria ajudar o cunhado(que estava com problemas financeiros), o Renato, emprestando-lhe a fórmula secreta da fábrica sem o marido saber, mas como o papel foi parar às mãos de outro homem (Senhor da Mão Peluda) a Rosário entrou em pânico, e foi assim que aconteceu.

A manhã de Domingo foi passada na praia, correndo, rindo, nadando e brincando na areia, mas, depois do almoço, o Primo Alfredo, A Rapariga da Boina, a Maria David e o Gabriel foram a casa dos gerentes da empresa da família dos Leonéis para o Gabriel pedir desculpa pela confusão na sala de reuniões do outro dia, levando um ramo de flores (com o envelope da fórmula secreta dos plásticos) para a gerente da empresa (que era a Senhora do Casaco Vison), estes tinham preparado um lanche, tudo do bom e do melhor, e comeram e ficou tudo bem.