Resumo II sobre os Astecas

Trabalho pronto escolar de história sobre os Astecas.

 31
Resumo II sobre os Astecas

Astecas – São precedidos pelos olmecas e toltecas. Os olmecas são assimilados pelos toltecas, que estendem seu domínio pelo México, onde se encontram os maias. Há indícios de que os astecas vivem como servos dos toltecas desde o século IX. Mantêm, porém, sua organização tribal e no século XIV fundam cidades-estados próprias. Praticam a agricultura, intensificam o comércio e constroem templos e pirâmides. Fundam e expandem seu primeiro reino durante o século XVI, submetendo outras tribos e cidades-estados. Quando os espanhóis invadem o México, em 1519, conseguem a adesão dos povos dominados para destruir o reino asteca.

Conquista da América – Fernando e Isabel financiam as viagens de Cristóvão Colombo, que descobre a América em 1492 e dá início a um vasto império colonial espanhol no Novo Mundo. Hernán Cortés conquista o México dos astecas em 1521 e Francisco Pizarro derrota os incas no Peru e em 1532. O rei Carlos I (1516-1556), da família dos Habsburgos, herda o reino e se torna, decorrência de casamentos dinásticos, o governante mais poderoso da Europa: senhor da Holanda (Países Baixos), Áustria, Sardenha, Sicília e Nápoles e imperador do Sacro Império Romano-Germânico, com o título de Carlos V.

O artista pré-hispânico é regido principalmente por conceitos religiosos, mesmo que anônimos e, reproduzindo o imaginário coletivo, muito mais que o individual. Na sociedade asteca possuía lugar de destaque e importância.

É necessário que nos desvencilhemos dos "pré-conceitos" ocidentais e em termos artísticos ainda impregnados dos conceitos renascentistas, para podermos compreender a dimensão que as artes visuais, a música, o teatro e a poesia (oral e escrita), representavam para a cultura asteca.

As artes constituíam seu principal meio de comunicação e de relato histórico, através das formas é que os astecas expressavam sua mentalidade, sua visão de mundo. A arte é uma referência da própria vida, seja terrena ou cósmica. Todas as formas possuem seus signos próprios, a arte asteca assume o principal significado de evocar o sagrado, expressando-o em termos visuais.

A arte assume o papel preponderante de representação do mundo simbólico-religioso, toda essa visão cósmica que permeia a sociedade asteca como um todo, se reflete no modo como o espaço é representado no simbolismo poético, em seus monumentos arquitetônicos, em suas esculturas, em seu fazer artístico de modo geral.

A estética pré-hispânica esta vinculada ao sagrado, existe um imaginário coletivo, porém nem por isso deixamos de reconhecer o artista em seus traços individuais, como aquele que transforma todo esse simbolismo sagrado em imagem. A arte asteca foi de grande importância dentro do contexto histórico desse povo, tendo sido admirada pelo próprio conquistador e a Europa, em matéria de estética e técnica.

Para a compreensão de qualquer imagem é necessário considerar-se o plano individual e o coletivo. O individual é o próprio artista, o sujeito que cria o objeto que será apreciado por uma coletividade. Essa compreensão está sujeita ainda a alguns fatores como: o suporte utilizado pelo artista, o material, o objeto ou a "ideia" a ser reproduzida, e para quem (qual o público) aquela imagem foi produzida. O artista pré-hispânico encontra em seu meio ambiente o barro (argila) para a cerâmica e a escultura; as pedras para a escultura, alguns artefatos e para a arquitetura; e os metais. Porém está limitado pelo tema.

Na arquitetura, destaca-se a grandiosidade de seus templos e outras construções que provocam admiração pelo tamanho e falta de tecnologia. Os monumentos arquitetônicos e as esculturas astecas tem como principal regra o princípio horizontal. As esculturas são trabalhadas de todos os lados. A pintura mural era utilizada em seus templos e palácios, sendo que as figuras normalmente não eram personalizadas, sendo identificadas através de pictogramas. A pintura foi utilizada principalmente nos códices (pequenos livros, semelhantes aos manuscritos europeus), responsáveis pela transmissão do conhecimento.

A pintura destaca-se pelas formas figurativas , como também formas abstratas e geométricas . A cerâmica constituiu-se de artefatos como jarras, potes e louças em geral. Muitos desses utensílios domésticos constituíam-se de verdadeiros objetos de arte, com pinturas policromadas.

A imagem asteca assume pois, a função de representação visual e plástica do sagrado. Imagem que lhe é atribuída pelo artista, à partir de suas vivências, das vivências de sua sociedade, das técnicas que distingue sua arte e , fundamentalmente de sua "mente" criadora, de sua fantasia. O artista pode ser o artesão sim, pois ele utiliza a técnica tanto quanto aquele, porém, esta técnica está a serviço de sua fantasia, do imaginário de sua coletividade.

O historiador Gombrich destaca em uma de suas obras: " o teste da imagem não é a semelhança com o natural, mas a sua eficácia dentro de um contexto de ação" (Gombrich, E.H. Arte e Ilusão).

O artista asteca criou dentro dessa eficácia, as obras que hoje nos ajudam a compreender a sua cultura, a sua concepção do sagrado, e o seu povo.