Resumo O Mistério da Casa Verde

Resumo do livro O Mistério da Casa Verde de Moacyr Scliar.

 17486
Resumo O Mistério da Casa Verde
O Mistério da Casa Verde

Resumo do Livro O Mistério da Casa Verde

Arturzinho, André, Pedro Bola e Leo eram grandes amigos. Os dois primeiros eram os mais bonitos e galantes, depois o guloso e o inteligente, respectivamente.

Entre Arturzinho e André havia sempre uma rivalidade. Sendo que Arturzinho era o mais popular dos rapazes e uma espécie de líder entre eles. Todos moravam na cidadezinha de Itaguaí e estavam precisando de um local pra realizar suas reuniões onde poderiam dançar, ouvir suas músicas em volume máximo e se divertirem.

Arturzinho, frente a essa necessidade, teve a ideia de fazer seu clube na chamada Casa Verde. Tratava se do antigo hospício da cidade narrada no romance O alienista, de Machado de Assis.

Em torno de tal casa girava toda uma história de assombração e uma revolta contra o livro de Machado. Os meninos acabaram por aceitar a ideia e na noite seguinte estavam nos fundos da Casa Verde a furar uma porta, já que as portas e janelas antigas tinham sido todas muradas.

Assim que entraram na casa se surpreenderam com a limpeza do local e depois, na sala do diretor, com a presença de um homem vestido com roupas do século XIX. Saíram correndo, e depois de uma discussão na qual Leo sabiamente afirmou que não se tratava de um fantasma voltaram na noite seguinte.

A porta tinha sido lacrada com madeira que foi fácil de retirar. Depois de votações ficou firmado que apenas Arturzinho e Leo entrariam na casa, tiveram com o homem que afirmou ser o alienista e que os rapazes eram loucos, depois os expulsou.

Novamente conversaram e meio a isso encontraram um alçapão que era provavelmente o lugar onde alguém entrava para levar comida ao homem, já que ele era totalmente desconhecido e sem marcas de sol, o que significava que não saia da Casa Verde.

Decidiram que fariam turnos de seis horas vigiando a entrada do alçapão pra descobrir quem mantinha o homem ali. Arturzinho ficou com o primeiro turno e quinze minutos antes de sua troca viu quem era o ajudante. Na verdade tratava-se de uma moça muito linda que vinha vestida também com roupas do século XIX.

Ele não se conteve a esperar por Leo e seguiu a menina descobrindo o endereço. Quando Voltou à Casa Verde contou de suas descobertas a Leo e assim marcaram um novo encontro entre os quatro. As novas descobertas foram ditas e Leo trazia com ele O alienista. E depois disso eles foram ter com a professora Isaura, uma apaixonada por Machado de Assis, e essa lhe explicou todo o romance em que o Dr. Simão Bacamarte inaugurou esse manicômio e se dedicava aos estudos da loucura humana através dos pacientes que tinha ali internado, mas que com o passar do tempo ele passou a internar pessoas sãs até que se fez uma rebelião onde um barbeiro assumiu o poder da cidade, mas logo ficou ao lado do médico e depois foi derrubado por novo barbeiro, enquanto Simão continuava a prender as pessoas, até que uma ajuda de fora veio e restabeleceu a ordem e o médico acabou afirmando que todos eram loucos e que, no entanto, isso era o comum e como só ele estava são deveria ele se internar até se tornar louco como os demais, ficando sozinho na Casa Verde até sua morte, dezessete meses depois.

Com isso, os meninos foram embora, e entre Arturzinho e André se fez uma aposta de que o primeiro traria novas resoluções em três dias. Logo Arturzinho procurou pela menina que ajudava o morador do manicômio e os dois saíram juntos. Até que ele lhe contou que sabia que ela levava comida para o louco da Casa Verde.

A menina chamava-se Lúcia e era a filha do louco, na verdade ele era bisneto de Simão que tinha se apaixonado por Ana, uma mulher que cuidava dele na Casa Verde e a engravidara. Mas Simão morrera antes do nascimento da criança e hoje seu bisneto se tornara de tão modo fascinado pela sua história que fora morar no manicômio, vivendo da ajuda da esposa e da filha que só recebia quando ia vestida como no século XIX. Artuzinho só contou as novidades a Leo e ao seu pai.

Como o seu pai era médico indicou ao filho que fosse conversar com um psiquiatra, amigo seu, sobre o homem da Casa Verde. O psiquiatra explicou que só poderia agir com o consentimento do próprio homem ou da família dele. Sendo assim, Artuzinho procurou Lúcia e lhe falou sobre o psiquiatra.

A menina ficou de decidir e já estava indo embora quando André a segurou exigindo que Artuzinho a apresentasse, já que queria as partes boas daquela história de clube. Logo os dois brigaram quando a menina foi embora e depois da briga só Artuzinho ficou, e como a presença de um morador na Casa Verde fora mencionada, um repórter da cidade que estava ali se interessou pela história, tentou arrancá-la de Artuzinho, mas não conseguiu.

No dia seguinte, como para fazer as pazes e pôr a par os amigos, uma nova reunião foi convocada, no entanto Pedro Bola chegou com a notícia de que havia uma multidão na frente da Casa Verde e que o repórter iria revelar o segredo do manicômio.

Porém, antes que as portas lacradas fossem abertas, Artuzinho e seus amigos, juntamente com Lúcia e o Psiquiatra, chegaram e intervieram. No entanto, um rapaz exigiu saber o segredo e como tinha grande porte físico foi passando por todos, mas nesse momento Jorge, o morador da Casa Verde, saiu de lá e parecia em total domínio de sua lucidez.

O assunto foi explorado, mas não deu em nada. A Casa Verde foi dividida, metade transformou-se em clube, como os rapazes queriam, e outra em uma espécie de museu a Machado de Assis, onde uma sala foi mantida com exemplo dos hospícios da época e uma área onde Jorge, que era tratado pelo psiquiatra, encenava a história do Alienista e seu romance com Ana. E como era de se esperar, Artuzinho e Lúcia começaram a namorar.

 

O livro “O mistério da Casa Verde” é uma releitura do clássico “O Alienista” de Machado de Assis.

A releitura de Moacyr Scliar foi editada em 2003 pela Editora Ática e pertence à coleção Descobrindo os Clássicos. O autor Moacyr Scliar nasceu em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, onde mora até hoje.

Já recebeu diversos prêmios literários. Além de escritor consagrado é também médico de Saúde Pública. Fundador da Academia Brasileira de Letras e principal escritor do Brasil, Machado de Assis era do Rio de Janeiro.

Criou-se lá, no subúrbio, menino pobre que sofreu muito. Arturzinho, personagem central da releitura, era um menino corajoso, gostava muito de aventuras, tinha um rival, André que fazia parte da turma junto a Pedro Bola e Léo, o intelectual e mais inteligente deles.

Já na obra “O alienista” o protagonista é Simão Bacamarte, um homem estranho que achava que todas as pessoas eram anormais e as mandava para seu “consultório”: a Casa Verde. Ele se achava perfeito, sem defeitos. A história de Machado de Assis aconteceu no final do século XIX, usavam roupa da época e foi quando começaram a surgir clínicas para loucos. Na versão original, Simão manda soltar todos os “presos” da Casa Verde, descobre que era normal ser maluco.

O doutor percebeu que ele era perfeito e isso não era normal, então ele prendeu-se na Casa Verde e entregou-se ao estudo e à cura de si mesmo, assim acaba a história. Dizem os cronistas que ele morreu daí a dezessete meses, no mesmo estado em que entrou. Já na releitura a história acaba com o começo do namoro de Arturzinho e Lúcia.

Os meninos realizaram seu sonho, tendo o seu clube de jovens numa parte da antiga Casa Verde e na outra parte foram organizados o Centro Cultural Machado de Assis (onde acontece uma encenação todas às sextas-feiras), uma sala de vídeo, uma biblioteca e uma oficina de artes. Na linguagem utilizada pelos dois autores, podemos perceber uma grande diferença, veja um trecho da obra de Machado de Assis: “A vereança de Itaguaí, entre outros pecados de que é argüida pelos cronistas, tinha o de não fazer caso dos dementes. Assim é que cada louco furioso era trancado em uma alcova, na própria casa, e não curado, mas descurado, até que a morte o vinha desfraldar do benefício da vida; os mansos andavam à solta pela rua”.

O autor usa uma linguagem culta, difícil de entender. Já Moacyr Scliar, usa uma linguagem fácil, para jovens, veja: “Espera um pouco: o cara disse que é um médico que cuida de loucos?

Mas ele tem mais cara de maluco do que de médico…”. O livro todo é muito bom, repleto de aventuras, uma leitura bem agradável. A parte de que eu mais gostei foi o final, pois Arturzinho acabou namorando com Lúcia e realizou o seu sonho de ter um clube.

Moacyr Scliar é um grande autor, nesta obra ele nos faz viajar. Uma leitura com palavras bem explícitas.Trata-se de uma idéia muito interessante para aprendermos um pouco mais sobre alguns clássicos, gostei muito da obra de Machado de Assis contada nesta releitura. A nota que dou para esse livro é 10.