Resumo sobre Karl Marx III

Trabalho pronto escolar de filosofia sobre Karl Marx.

 53
Resumo sobre Karl Marx III

Cientista social, filósofo e revolucionário alemão. Originalmente um dos discípulos de Hegel, viu sua ambição de seguir carreira acadêmica em Bonn frustrada devido ao seu radicalismo. Ajudou a divulgar um jornal em Colônia, em 1842, que foi proibido pelo censor. Mudou-se então para Paris, onde encontrou Friedrich Engels; desde então tornaram-se os dois colaboradores em trabalhos de filosofia política.

Em 1845, foi para Bruxelas, onde associou-se á Liga Socialista pela Justiça (1847), posteriormente denominada  Liga Comunista, e junto com Engels escreveu o Manifesto Comunista (1848). Com a revolução de 1848 tronou-se possível a volta para Colônia, um breve retorno. Logo depois foi expulso da maioria dos países europeus, indo então morar em Londres, cuja ajuda financeira de Engels foi marcante.

Seu envolvimento como jornalista, com os grupos radicais alemães e franceses da conturbada década de 40 levou-o a adotar o comunismo e a formular uma ampla e influente crítica do capitalismo, por ele condenado como a maior causa da alienação humana. Convencido da importância central da economia para a determinação dos demais aspectos da existência humana, Marx inverteu a célebre fórmula idealista de Hegel, segundo qual é consciência, ou o espírito que determina o curso da história humana.

Desenvolveu nesse sentido uma interpretação materialista da história, que no entanto conservava a doutrina de Hegel a noção de dialética, a qual se transformaria no núcleo da corrente filosófica, ideológica e político-social conhecida como marxismo. Mas previa uma revolução política e social global, como resultado do conflito entre as classes trabalhadoras e os capitalistas, os quais usavam o estado para reforçar seu próprio domínio.

Sua meta era união de todos os trabalhadores para conseguir o poder político. Após a militância revolucionária e as obras de caráter político e histórico, nos últimos anos de sua vida Marx dedicou-se mais intensamente ás análises econômicas, com o propósito de demonstrar o caráter essencialmente exploratório do capitalismo, que segundo ele, fazia com que o sistema produzisse crises cada vez mais graves.

Seus estudos resultaram na obra O Capital de 1885-94, sendo que durante muitas décadas foi a referência central na área das ciências sociais. Desde sua morte, sua extensa obra exerceu imensa influência sobre o pensamento político e social, e mais especificamente, sobre os movimentos e partidos socialistas do mundo.