Não Encontrou? Pesquise Aqui!

O mundo precisa de filosofia

       
I - AS IDÉIAS MOVEM O MUNDO

           

            Esse capitulo trata de questionamentos filosóficos de vários autores diferentes, porem da um destaque especial para Aristóteles que fala sobre a riqueza e diz que falta os que julgam a riqueza o poder por sua excelência. E porque os ricos são em geral poderosos grande parte da humanidade luta por possuir maiores bens de fortuna, porque através destes bens espera vir a ter mais poderes. Mais não só nisso que a vida se resume, pois a figura do homem rico pode exprimir-se assim: tem todas as características de um homem feliz, a quem falta, no entanto, o bom senso.          Para bom entendedor não estamos aqui enfrentando o problema social da distribuição das riquezas, mais sim, focalizando um problema de valores nesta contradição entre duas leis: riqueza material e saber, Nem sempre temos a nítida noção do poder que possuem as idéias. E o nosso objetivo é refletir sobre a força das idéias.          O mundo está hoje dividido pelas ideologias, que são as formas pelas quais as idéias assumem corpo e exercem sua ação eficaz na existência. Essas ideologias são conjuntos de fatores afetivos e voluntários, que envolvem uma idéia, e a transformam em uma poderosa energia dinâmica.          O filósofo, posto em ridículo pelo povo, vivendo entre seus pensamentos inofensivos, é na realidade uma potência terrífica. Seu pensamento tem o efeito da dinamite. Pois revolver não é revolucionar, evolver não é evoluir, nem processamento é necessariamente progredir.           A idéia comum de vida contemplativa é a de um afastamento de realidade, a de uma vida de abstração ou, para usar uma palavra ao gosto da época, a de uma alienação.          A filosofia convida o homem para uma vida em plenitude, como ser racional, esse convite não é o de um afastamento da vida, mais sim um discernimento das idéias que povoam a vida humana, causando uma relação entre as idéias e a vida do ser humano.          Sobre a idéia e o sentimento ele explica com um ditado popular: “O que os olhos não vêem o coração não sente”, ou seja, o que nunca teve não terá medo de perder. Os nossos sentimentos variam de acordo com as idéias que os acompanham. E se as idéias dão o tom dos nossos sentimentos, podemos dizer que as idéias dão a cor da própria existência.           Já sobre a vontade dizemos que um homem de força de vontade é aquele que persegue alguma coisa, e aquele que sabe o que quer, e sabe o que quer exatamente porque quer o que sabe. Essa firmeza de vontade se exprime pela força dos atos e conduz necessariamente à ação. Mas, se os atos dependem da vontade, e a vontade é determinada pela idéia.          Na vida humana, ou vivemos de acordo com o que pensamos, ou acabamos pensando de acordo com o nosso modo de viver, por isso a filosofia tem garantida sua presença no mundo, pois está procurado esclarecer as idéias como o único e efetivo caminho para a solução dos problemas da vida humana.          “As idéias caracterizam os sentimentos; as idéias determinam a vontade, da clareza das idéias depende, enfim, a firmeza das ações”.                     

II -
OS FILÓSOFOS CONVIVEM CONOSCO           

Existe uma idéia corrente sobre a figura d filósofo, que o indica como um excêntrico. Em geral, pensamentos no filósofo como um tipo esquisito, estranho, diferente. E esta idéia não é de hoje.
          Esta idéia de o filósofo viver afastado da vida comum continua existir em nossos dias. E isto produz uma reação natural de desconfiança com relação a ele. A isto se acrescenta o número de casos, ou fatos excêntricos, através de que são em geral conhecidos os filósofos e a Filosofia.           Mais são os sofismas que impressionam as pessoas, principalmente porque muitos se distraem ante as dificuldades de desfazer a aparente verdade de um sofisma. Tomemos um exemplo, e vejamos como, realmente, é necessário ter o espírito preparado, e conhecer bem as regras da Lógica, para conseguirmos sair de certas perplexidades criadas por um engenhoso artifício, em que um raciocino aparece com as características de ser verdadeiro, e, no entanto, não o é “Tudo o que é raro é caro; um cavalo bom e barato é raro; então um cavalo bom e barato é caro”.             Os filósofos ficam sendo conhecidos como os que confundem a mente dos outros, quando de fato é na Filosofia que encontramos os elementos capazes de livrar-nos da confusão das idéias, e da imprecisão da linguagem. Mas, o que é curioso notar é que é mais fácil o homem em geral interessar-se por este anedotário de equívocos e sofismas, de frases estranhas e abstrusas, do que interessar-se pelo que a Filosofia pode oferecer de claro e seguro.          Tudo isto, apresentado assim, isoladamente, conduz efetivamente a uma impressão estranha do que seja Filosofia. Ela nos aparece sob uma feição inacessível. Essas teses por vezes mais estranhas e abstrusas encontravam sempre um filósofo que as defendesse, e com muito boas razões. E, na verdade, o que encanta no campo de Filosofia não é o fato de estarmos sempre diante da verdade, o que encanta no campo da Filosofia não é o fato de estarmos sempre diante da verdade, mas num plano de inteligência em que até nos erros dos filósofos temos sempre alguma coisa a aprender.          Julgamos sempre que há uma grande distância entre o modo de viver e de pensar dos filósofos e o viver e o pensar dos homens em geral. Na verdade, porém, os filósofos convivem conosco.          Vivemos diante desta presença dos filósofos, pois as suas idéias se manifestam a todos os instantes. Mas estas idéias, eles as sustentavam procurando encontrar para justificá-las razões profundas. Os filósofos, através das idéias que nos legaram, acompanham a nossa vida. Será que nós poderemos também acompanhar os filósofos? 

III
– AS SOLUÇÕES À PROCURA DOS PROBLEMAS          

Os homens, desde a idade da pedra, nos deixaram sinais, que hoje empolgam os historiadores da arte, nos desenhos e pinturas gravados no interior das cavernas em que viviam. Pois bem, uma consideração mais atenta do significado destas gravuras nos leva à conclusão seguinte: nestes sinais da arte primitiva, há mais do que uma simples distração.
          Todos os povos, nas suas origens culturais, apresentam de modo característico as lendas e as fabulações mitológicas que aparecem como formas de exprimir um enredo relacionando os fatos observados pelos espíritos ingênuos. São elas as formas elementares da teorização.          As primeiras tentativas explicativas dos mistérios da existência fizeram-se sob forma de histórias, ou de lendas.          Os mitos, as lendas, as histórias são enredos em termos concretos. Assim, as histórias, as lendas, os mitos, foram as primeiras manifestações desta tendência teorizante do ser humano.          Mas de uma característica geral do homem, que se manifesta desde a infância. No homem adulto, esta tendência se manifesta na facilidade com que o homem arma suas opiniões. A opinião é um enredo, é uma estrutura teórica embrionária, que se forma inopinadamente no espírito humano, diante de um fato.          Essa teorização se manifesta igualmente na ciência. Tão natural parece-nos em geral que à ciência caiba a obrigação de construir teorias, que haveremos de estranhar o problema que agora colocamos em foco. A tarefa da ciência não é a de construir teorias; mas a de formular teorias que efetivamente correspondam à realidade.          Devemos recordar que ainda durante séculos encontramos na ciência a preocupação predominante com as teorias. Se algum fato novo não obedecesse à teoria previamente construída, atribuí-se isto a uma deficiência experimental, ou se criava alguma explicação que contornasse a dificuldade.           Custou ao homem a aprender que não basta procurar a solução dos problemas construindo teorias. Difícil, realmente, é saber que o primeiro problema é o de saber como se coloca devidamente um problema.          No terreno da Filosofia, como no terreno das idéias diretrizes da vida humana, em geral, o problema cresce de complexidade. Toda a questão é, a saber, se elas correspondem à realidade. De fato, o problema por excelência da filosofia se põe neste ponto: existem filosofias e Filosofia.          Se uma posição filosófica se apresentar partindo de princípios, que não justifica, colocando problemas sem o correspondente debate, trata-se de uma posição sectária, e não verdadeiramente do que se possa chamar de Filosofia.          O esforço no sentido de colocar os problemas em termos reais e objetivos exige honestidade de propósitos, sinceridade, espírito de dedicação, compromisso com a verdade antes de tudo, em lugar da luta cega pelos interesses imediatos.
 

IV
– O ESPÍTO MÁGICO DA CIVILIZAÇÃO DA MÁQUINA          

A compreensão das épocas culturais da história humana pode ser equacionada neste termo: “O discurso científico, em razão de sua dupla função, é capaz de duas organizações sistemáticas opostas, que geram, desde que uma ou outra adquira uma preponderância sensível numa sociedade, tipos diferentes e opostos de cultura ou de civilização. Se o discurso científico se orienta de maneira preponderante no sentido da contemplação, se ele constitui antes de tudo uma preocupação à posse contemplativa, nós teremos a considerar uma civilização de tipo sapiencial; se ele se organiza de maneira preponderante sob a forma de uma direção de trabalho.
          A era da máquina se delineava, antes de tudo, não como uma era racionalista e fria, como seria de esperar, mas como uma era de exaltação sentimental e imaginativa. A máquina aparecia, antes do mais, como um instrumento de multiplicação da força humana.          É interessante notar um fato histórico, que demonstra o empenho no sentido de fazer da máquina um elemento de expressão sentimental. A máquina se transforma num elemento estético, em motivo de encantamento.          Toda a preparação desta civilização da máquina foi forjada por uma convicção no valor absoluto da razão humana. A confiança na razão gerou o desejo de descobrir pelas forças naturais da inteligência os segredos do mundo.          No campo da filosofia, cada qual se acha no direito de eleger sua teoria, sem submeter-se aos critérios e aos rigores de um método reflexivo, capaz de julgar convenientemente a propriedade de suas construções mentais.          A filosofia não é considerada pela clareza e segurança no domínio racional, mas pelo que possa prometer como reforma do mundo.          A Ciência não é conhecida pelos rigores de suas fórmulas matemáticas, ou sua terminologia especializada, mas pelos vôos que permite à imaginação, excitada pelas histórias da ficção científica.           Tudo isto, que pode parecer um quadro trágico de nossa civilização da máquina, tem um significado: são caminhos, justos ou injustos, de uma procura da espontaneidade perdida. Esta é a explicação do espírito mágico da civilização da máquina. Esta é a razão por que, numa era de tecnicismo, o homem está de tal forma voltada para o fantástico, o maravilhosos, o irrefletido, o sentimental, o irracional.          E por isso domina em tudo o espírito mágico, que se reflete na fabulação, no gosto do espetáculo, no culto misterioso do que o homem em geral não pode compreender, mas não se recusa a admirar.           Assim como na idade mágica primitiva cultuava as manifestações da natureza, o espírito mágico de nossa civilização cultua as manifestações da vida social.           Existe um espírito mágico acompanhando a civilização da máquina. Quando este espírito mágico descobrir claramente o objeto adequado para o seu culto, então teremos o reencontro desta mística necessária à harmonia entre a ordem da produção e a ordem da perfeição humana, entre o plano das exigências externas e a ordem das exigências interiores da vida humana. Este é o significado do espírito mágico da civilização da máquina.
 

V
– O HOMEM À PROCURA DO HOMEM               

Muitas são as perspectivas através das quais podemos abordar o problema do homem. Uns acentuavam as suas fraquezas, outros se fixam na sua grandeza. Carregando consigo o enigma de seu próprio ser, cabe-lhe ao menos a possibilidade de refletir sobre si mesmo. Por isso, cabe recordar a conhecida afirmação de Pascal: “O pensamento faz a grandeza do homem. O homem é apenas um caniço, o mais frágil da natureza; mas é um caniço pensante”.
          O problema decorre exatamente do fato de o homem viver uma situação contingente. Ele é, enquanto existe com certas características que o identificaram naquilo que é. Mas, por outro lado, ele se desenvolve, há nele um processo permanente, aquilo que ele é hoje já não é o que foi antes, nem o que será depois.           Quando não assumimos conscientemente as rédeas de nossa própria formação, o que ocorre conosco é que aceitamos passivamente aquilo que nos parece serem os ideais do espírito de uma época, na qual vivemos.           Estas características refletem os ideais dos homens que a construíram, construindo-se com elas a si mesmas, pois cada tipo de civilização oferece certos ideais específicos dominantes no processo da educação.            A vida que o homem moderno construiu para ele mesmo o sufoca. Basta lembrar aqui um fato: o homem hoje é egoísta mesmo sem o querer. Ele se isola e se defende ele disputa cotidianamente com o seu semelhante, mesmo que não o deseje.            O homem precisa restabelecer o culto de si mesmo. Não o culto forjado pela propaganda, como vemos em tantos casos. Trata-se do cultivo do próprio homem. Ele deve saber que não nasce completo e acabado. Ele deve ter consciência de que se educa a cada instante de sua vida.            O homem à procura do homem é a luta consigo mesmo, marcada pelo desejo de perfeição, ou, pelo menos, de superação.            A história prosseguirá testemunhando o homem numa procura permanente do que só pode encontrar se ele procurar realizar-se a si mesmo, pois, por trás de todas as procuras, o homem incompleto procura o homem integral.                 


PARECER ACADEMICO
           

No contexto geral o livro fala de como a filosofia interage com o mundo a nossa volta, e em como ela nos envolve, de uma maneira inevitavelmente desconhecida e de como está ligada as nossas ações mais cotidianas do dia - a - dia, e em como ela nos afeta.
         Ele nos mostrou diversos pontos de vistas de dezenas de filósofos conhecidos, muitos deles falam de aspectos diferentes da filosofia, porem que acabam sempre dizendo uma mesma coisa,

Outros Links